Explore o VersaWorks 6

Num artigo anterior, já abordámos brevemente o que é o RIP.  Hoje, gostaríamos de aprofundar um pouco mais os aspetos técnicos do software de RIP mais utilizado pela Roland até à data: VersaWorks 6.

Uma breve história do VersaWorks

Em 2004, a Roland DG lançou a primeira edição do seu software de RIP VersaWorks, juntamente com a lendária série VersaCAMM SP. Como qualquer outro software de RIP, a sua função principal era traduzir ficheiros de desenho de tom contínuo RGB e CMYK (como ficheiros vetoriais e bitmap) em ficheiros de imagem raster ou ficheiros bitmap multicamadas, que são necessários para a impressão.

O VersaWorks foi concebido para ser uma interface gráfica intuitiva e fácil de usar, com uma proposta de valor verdadeiramente única. Pela primeira vez, os utilizadores podiam beneficiar de um RIP dedicado que foi diretamente incluído na sua compra e construído especificamente para as suas máquinas. E, ao contrário da maioria dos RIPs de terceiros na altura, não os forçou a pagar por características que nunca iriam realmente utilizar. Neste sentido, o VersaWorks foi bastante revolucionário.

A versão atual do VersaWorks, VersaWorks 6, é alimentada pelo motor de triagem e processador Harlequim da Global Graphics. A Global Graphics tem um historial comprovado em indústrias de impressão tradicionais, como a impressão comercial offset ou flexográfica, onde é conhecida por ripar e separar ficheiros com alta precisão e velocidade, para uma reprodução a cores excecional.

O software de RIP VersaWorks 6 tem uma interface gráfica intuitiva e fácil de usar

Hoje, o VersaWorks 6 é o RIP principal para a maioria dos nossos dispositivos de impressão, com uma sólida reputação de usabilidade, desempenho e atualizações gratuitas durante toda a vida útil. E, graças ao seu poderoso motor, faz muito mais do que simplesmente 'traduzir', ampliar ou redimensionar ficheiros de impressão, oferecendo uma vasta gama de características adicionais, como cálculo de trabalhos, impressão de dados variáveis, correspondência avançada de cores e muito mais.

Mas comecemos pelo princípio, porque para compreender o quanto este software pode fazer, é preciso ter uma boa noção do básico. Neste blog, descobrirá como funciona realmente o processamento de imagem raster (ou RIP), o que fazem as regras de triagem e a que se deve prestar atenção quando se ampliam imagens.

Converter imagens em algo imprimível

Para tornar ficheiros de desenho imprimíveis, é necessário primeiro “rasterizá-los” para que o dispositivo de saída seja capaz de reproduzir com precisão os dados. Como é que isto é feito? Ao converter estes ficheiros de tom contínuo em ficheiros de meio-tom digitais. Um ficheiro de meio-tom digital consiste em várias camadas.

Estas camadas são basicamente ficheiros bitmap. Cada um deles consiste numa matriz preenchida com (neste caso, de uma só cor) pontos de várias formas e tamanhos. A forma como estes pontos aparecem nestas matrizes e como estas matrizes se relacionam entre si, define como o seu dispositivo de impressão irá reproduzir todas as cores, tonalidades e variações tonais que aparecem na sua imagem.

Rasterizar, então, trata-se realmente do RIP traduzir ficheiros de tom contínuo CMYK ou RGB (os mais utilizados para conteúdos produzidos digitalmente) em ficheiros bitmap múltiplos, separados por cores de processo (e, ocasionalmente, cores spot).

O RIP traduz ficheiros de tom contínuo CMYK ou RGB em ficheiros bitmap múltiplos

Para compreender como funcionam as regras de triagem, vamos voltar aos nossos pontos de meio-tom por um minuto. Podemos sentir-nos tentados a pensar nestes pontos como círculos redondos, mas nem sempre é esse o caso. De facto, as formas de pontos mais frequentemente utilizadas na impressão, além das redondas, são as quadradas e as elípticas. Isto é importante recordar, porque tanto a forma do ponto como a forma como os nossos pontos estão estruturados na matriz têm um impacto significativo em possíveis artefactos e gradientes tonais.

E é aqui que entram as regras de triagem. Em geral, existem três tipos principais de regras analógicas de triagem que são utilizadas para colocar pontos, nomeadamente, Modulação de Amplitude (AM), Modulação de Frequência (FM), também conhecida como Triagem Estocástica, e Triagem Híbrida.

Com a AM, a gradação tonal varia de 0% a 100%, começando com pequenos pontos de raio (0%) e terminando com grandes pontos de raio (100%). Estes pontos são colocados sobre uma grelha ortogonal. Quanto maior for o tamanho do ponto, mais escuro será o valor tonal. No caso da tinta preta, se o ponto preencher 0% do quadrado, a impressora lê-o como branco. Se preencher 100%, lê-o como preto. E todos os tons de cinzento ficam algures no meio.

Modulação de Amplitude

Com a FM, a gradação tonal também varia de 0% a 100%, mas o tamanho do ponto permanece consistente e os pontos são colocados estocasticamente (ou aleatoriamente). Em vez de o tom de densidade ser definido por um tamanho de ponto crescente, é definido pela quantidade de pontos do mesmo tamanho por área. As áreas com uma grande quantidade de pontos são mais escuras e as áreas com menos pontos são mais claras. Devido à maior frequência global de pontos, este método permite detalhes muito mais finos.

Modulação de Frequência

A Triagem híbrida, por último, usa uma combinação e AM e FM. Na triagem híbrida, as áreas mais claras com menos diferenças de cor podem depender da modulação em amplitude, enquanto que as áreas mais complicadas, coloridas ou mais escuras podem utilizar a modulação em frequência.

Na impressão digital, utilizamos principalmente técnicas de modulação em frequência e de triagem híbrida em combinação com algoritmos avançados para alcançar o efeito desejado. E isto leva-nos aos métodos de triagem que podem ser selecionados no VersaWorks 6: "Dither" e “Difusão de Erros".

Que métodos de triagem devo selecionar no VersaWorks 6?

Agora que compreendemos o que são regras de triagem, é fácil explicar a diferença entre “Dither” e “Difusão de Erros”. São ambas técnicas híbridas de padrões de meio-tom que permitem uma gama alargada de tons e cores.

Com o “Dither”, o RIP utilizará um padrão de dithering específico para produzir resultados de processamento mais rápidos. A “Difusão de Erros”, por outro lado, também terá em conta os píxeis circundantes, levando a resultados superiores e a detalhes muito mais finos, mas também a tempos de processamento mais longos.

Portanto, sugerimos que se utilize apenas a Difusão de Erros para imagens mais complicadas com muitas variações tonais e detalhes, como fotografias, e o Padrão de Dither para reproduções com menos cores e diferenças tonais, como gráficos para pavimentos e outro material de sinalética semelhante. Esteja ciente de que, por defeito, o VersaWorks 6 utilizará a regra de triagem Padrão de Dither.

E quanto à ampliação?

Ao saber qual o aspeto de um ficheiro de meio-tom e como funcionam as regras de triagem, não é difícil compreender porque é que ampliar imagens pode ser um processo tão complicado e suscetível de erros. Afinal, o RIP já precisa de efetuar uma série de cálculos para separar os seus ficheiros e determinar onde colocar cada pixel.

Ampliar uma imagem utilizando software de RIP.

Sempre que quiser ampliar um ficheiro de imagem bitmap, está a pedir ao seu RIP que não só crie ficheiros de cor separados e organize os píxeis na grelha com diferentes graus de complexidade, mas que também calcule isto para áreas que não existem no ficheiro original. Porque, como a maioria de vós provavelmente sabe, as faixas não são criadas num formato de 6 metros por 6 metros; em vez disso, o ficheiro de desenho é normalmente de 60 cm por 60 cm. E compete ao RIP ampliar o desenho até ao tamanho de reprodução desejado através da interpolação.

Mas a interpolação tem os seus limites. Não podemos esperar apenas que o nosso RIP aumente as imagens de menor resolução para reproduções de alta definição, porque quanto menor for a resolução de base, mais rapidamente os pontos se tornarão visíveis ao olho humano. Por isso, é sempre importante preparar bem os seus ficheiros e escolher a resolução certa, especialmente se quiser alcançar resultados com qualidade de fotografia. Depois, no passo final, pode deixar que o VersaWorks amplie ainda mais a imagem para a relação desejada.

Para o fazer, pode selecionar um dos três seguintes algoritmos de interpolação no VersaWorks:

  • Nearest Neighbor: O VersaWorks irá ampliar os seus desenhos utilizando a informação do pixel mais próximo na reprodução. É muito rápido e simples, mas também o menos exato.
  • Bi-Linear: O VersaWorks irá ampliar o seu desenho utilizando a média ponderada dos valores de cor de 2 x2 píxeis lineares. É um pouco menos rápido, mas produz excelentes resultados tonais.
  • BiCubic: O VersaWorks irá ampliar o desenho, considerando os valores de cor de 8 píxeis lineares para criar 1 novo pixel. A interpolação Bi-cúbica geralmente oferece os melhores resultados para gradientes e fotografias, mas é o mais longo processo de RIP
Claro que, à medida que a capacidade de computação aumenta dia após dia, os processos de RIP em geral também se tornaram mais rápidos e mais eficientes, de modo que mesmo algoritmos complicados exigirão menos tempo do que antes.

Comece a imprimir

A impressora a jato de tinta de grande formato TrueVIS VF2-640 inclui o software de RIP VersaWorks 6 para uma produção eficiente.

Agora que compreende o que realmente entra na sua impressora durante o processo de rasterização de imagens, como funcionam as regras de triagem e o que os nossos algoritmos básicos podem fazer para melhorar a qualidade de imagem e ampliar as suas imagens, deverá ser capaz de calcular melhor o tempo que certos trabalhos demorarão e que tamanhos de ficheiro os seus clientes precisam de fornecer para alcançar os resultados de reprodução desejados.

Mas, é claro que a prática faz a perfeição. É por isso que encorajamos sempre os nossos clientes a experimentar. Poderia, por exemplo, tentar imprimir a mesma imagem utilizando várias configurações e técnicas. Além disso, a nossa equipa está sempre pronta a ajudar.

No nosso próximo blogue, daremos uma vista de olhos à linearização, aos perfis ICC e à correspondência de cores. Não quer perder isto? Adicione esta página aos favoritos ou subscreva a nossa newsletter.

Mais informação
do VersaWorks 6.

 

Contacte com a Roland

Muito obrigado pelo seu interesse. Por favor, preencha o formulário e contactá-lo-emos o mais breve possível.

A sua privacidade é importante para nós. A Roland DG usa a informação que nos disponibiliza para o informar sobre novidades relevantes para si, sobre produtos e serviços. Pode cancelar a sua subscrição destas comunicações a qualquer momento, enviando um email para dib-digitalg@rolanddg.com.
Para obter mais informação, consulte a nossa politica de privacidade.

Se prefere que não o contactemos por telefone ou por correio eletrónico, pode registar-se a qualquer momento. Processaremos os seus dados de acordo com a nossa Política de Privacidade. Mais informação.